2.10.07

Série "Mozart was a Red" II

"Preventive war was an invention of Hitler."

President of the United States (and former General of the Army) Dwight D. Eisenhower

19 comentários:

O-Lidador disse...

Claro que não. Já Sun Tzu falava nela.

Quizzer disse...

Caro CN,

Pode dizer-me onde e quando disse Eisenhower essa frase?

CN disse...

Para ser franco, retirei de um outro local que o citava. Não conheço a fonte original. Mas como julgo já a ter lido em outra ocasião funcionou como um double check.

Vamos pôr assim as coisas.

Se vier a ser provado (após análise microscópica) que não o disse, é pena. Era melhor que o tivesse dito.

A guerra preventiva é o caminho mais curto entre a paz e a guerra (por definição).

Por exemplo:

Estando provado que Saddam não insto e não aquilo, Saddam tinha o direito preventivo de atacar as tropas EUA estacionadas no Koweit antes de estes atacarem (ataque aliás desonroso....de supresa e sem declaração).

Quizzer disse...

CN,

Cumpre-me informá-lo que Eisenhower nunca disse tal coisa. O que já não creio ser tarefa que me caiba é a de "provar que não o disse" (uma impossibilidade prática, como compreenderá). Mas não seria próprio da civilização encetar a colocar, a nosso belo talante, palavras nas bocas de outrém, pedindo a terceiros a prova de que nunca as proferiram.

Algumas formas de aferir da falsidade da citação que publicou é a de que não só não encontrará qualquer fonte primária que corrobore essa frase (e elas abundam no que toca a Eisenhower), como também não encontrará qualquer referência à mesma em qualquer documento escrito antes da II Guerra do Iraque e da consequente entrada da expressão "guerra preventiva" no léxico político e partidário.

E não são precisas "lupas microscópicas": um conhecimento ligeiro e basilar do que Eisenhower produziu em termos de doutrina e história militar é o suficiente para deixar qualquer um incrédulo quanto à possibilidade de ser ele o autor de tal frase.

Mas para o consolar, deixo-lhe uma citação, que, asseguro-lhe, não é apócrifa:

"Misquotation is, in fact, the pride and privilege of the learned. A widely- read man never quotes accurately, for the rather obvious reason that he has read too widely."

Apesar disso, julgo que seria indicado que corrigisse o seu post.

Se preferir, estou disponível para lhe fornecer o (muito interessante) texto de Eisenhower a partir do qual foi laboriosa e desonestamente construída essa falsa citação.

CN disse...

"Se preferir, estou disponível para lhe fornecer o (muito interessante) texto de Eisenhower a partir do qual foi laboriosa e desonestamente construída essa falsa citação."

Bem, já agora, se o fizer agradeço.

Se tiver link deixe aqui ou texto para.

cnovaisg@gmail.com

PS: Saddam tinha ou não o direito preventivo de atacar os EUA antes que estes o atacassem?

PS2: passando por cima de Saddam.

Se A pensa atacar preventivamente B baseado em X e Y, e B sabe que no minimo Y é falso.

Se B tiver uma razoável certeza que A vai atacar "preventivamente" não deverá B atacar duplamente preventivamente A?

Quizzer disse...

Não é preciso o e-mail.

Em 1954, numa entrevista transmitida pela NBC, as declarações do Presidente Eisenhower, quando interrogado sobre a possibiliade de uma guerra preventiva contra a União Soviética, foram estas:

"All of us have heard this term 'preventive war' since the earliest days of Hitler. I recall that is about the first time I heard it. In this day and time, if we believe for one second that nuclear fission and fusion, that type of weapon, would be used in such a war--what is a preventive war?

I would say a preventive war, if the words mean anything, is to wage some sort of quick police action in order that you might avoid a terrific cataclysm of destruction later.

A preventive war, to my mind, is an impossibility today. How could you have one if one of its features would be several cities lying in ruins, several cities where many, many thousands of people would be dead and injured and mangled, the transportation systems destroyed, sanitation implements and systems all gone? That isn't preventive war; that is war."

Ou seja, note-se a (pouco) subtil alteração: o termo guerra preventiva foi utilizado nos "early days" de Hitler, mas, obviamente, no sentido de fazer uma contra ele.

Note-se que Eisenhower tem dúvidas que a expressão signifique realmente alguma coisa (e nisso eu acompanho-o; deve ser das mais sobrevalorizadas expressões do século - na realidade, é um straw man, ao jeito da "trickle-down theory" na economia).

Note-se que ele a cataloga como "to wage some sort of quick police action in order that you might avoid a terrific cataclysm of destruction later" - algo que dificilmente poderá ter sido uma invenção de Hitler.

Note-se que Eisenhower se opõe, naturalmente, a uma "guerra preventiva" no contexto da guerra fria - naturalmente. Poucos foram os que defenderam o contrário.

Um link sobre o assunto:
http://nationaljournal.com/about/njweekly/stories/2007/0413nj1.htm

Acho que posto isto, o CN tem todas as condições para corrigir o post.

abrantes disse...

«Cumpre-me informá-lo que Eisenhower nunca disse tal coisa. O que já não creio ser tarefa que me caiba é a de "provar que não o disse" (uma impossibilidade prática, como compreenderá)»

Logo a informação é pouco credível.

Ausência de prova não é prova de ausência, onde é que já li isto..

CN disse...

Parece-me que diz até mais que a frase original.

Foi desde hilter que se houve falar.

A palavra não significa nada.

Não vale a pena ter armas nucleares.

Para prevenção não servem.

Para atacar, pode-se supor, também o não.

Não foi ele que criticou o uso de WMD sobre civis japoneses?

Quizzer disse...

Caro Filipe Abrantes,

Se eu lhe atribuir uma citação, não me remeterá o onús de lhe provar a veracidade?

Eisenhower nunca disse tal coisa. Se disse, respondam-me: onde e quando?

CN,

Foi desde os early days de Hitler que Eisenhower ouviu falar da expressão, claro. Esteve na ordem do dia o lançamento de uma guerra contra Hitler durante os finais da década de 30. Isto é sabido.

Ele não diz que a palavra não significa nada. Diz "if the words mean anything". Eu acompanho-o. Como afirmei, trata-se, em grande parte de um straw man. Você usa-o abundantemente: até em citações falsas de Eisenhower.

"Não vale a pena ter armas nucleares.

Para prevenção não servem.

Para atacar, pode-se supor, também o não."

Isto, francamente, não percebo onde vai buscar....

Quizzer disse...

"Parece-me que diz até mais que a frase original."

Qual frase original? A que Eisenhower proferiu pela primeira vez no século XXI?

Quizzer disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Quizzer disse...

Recordo qeu, para Eisenhower, a guerra preventiva, sendo dúbia a expressão em si, será qualquer coisa como "wage some sort of quick police action in order that you might avoid a terrific cataclysm of destruction late".

Isto é bom ou mau?

CN disse...

"Foi desde os early days de Hitler que Eisenhower ouviu falar da expressão, claro. Esteve na ordem do dia o lançamento de uma guerra contra Hitler durante os finais da década de 30. Isto é sabido. "

Eu não concluo isso desde já. Nem por sombras. Posso ser convencido com citações adicionais. Mas não simplesmente por esta.

CN disse...

"Isto é bom ou mau?"

A forma como o diz parece indicar a grande desconfiança sobre o termo e a doutrina implicita.

Pode´ra significar tipo.

no máximo (tipo menos mau) que tal palavra poderá significar será....

Mas o que diz sobre o nuclear e sabendo que criticou o seu uso na WWII permitirá enquadrar como o estou a fazer.

Quizzer disse...

"Foi desde os early days de Hitler que Eisenhower ouviu falar da expressão, claro. Esteve na ordem do dia o lançamento de uma guerra contra Hitler durante os finais da década de 30. Isto é sabido. "

"Eu não concluo isso desde já. Nem por sombras. Posso ser convencido com citações adicionais. Mas não simplesmente por esta."

Não consigo perceber. O que conclui da frase «All of us have heard this term 'preventive war' since the earliest days of Hitler.»? Não é só aplicar a navalha de Okham? Ele com isto queria dizer que a "preventive war was an invention of Hitler", é isso?

CN disse...

Vou ter de fazer um break. Obrigado pelo debate até aqui.

CN disse...

Ainda aqui volto mais tarde.

Quizzer disse...

Com certeza. Mas eu não estou interessado em prolongar a hermenêutica de uma entrevista de Eisenhower. A citação é falsa. Para mais, discordo radicalmente da doutrina e da condução da política externa de Eisenhower e, o que é verdadeiramente importante, Ron Paul não é um herdeiro dela. Não vale a pena tentar colar o congressista à Casa Branca de Eisenhower neste domínio porque resultará sempre periclitante.

O-Lidador disse...

[PS: Saddam tinha ou não o direito preventivo de atacar os EUA antes que estes o atacassem?]

Mas então o cn pensa que o sistema internacional é um estado de direito?
Ainda não entendeu que é um sistema hobbesiano, com canhões, fronteiras e poder?

Saddam tinha todo o "direito" (do seu ponto de vista) de tomar as medidas adequadas para ganhar.
Tal como os seus inimigos.

Mas não tinha o poder.

É como você circular numa rotunda com uma bicicleta e ter prioridade sobre um camião que esta a entrar.
Claro que tem o "direito" de ignorar o camião.
Mas depois de ter sido passado a ferro, isso pouco lhe serve.
Resta-lhe a consolação de ser um cadáver com razão.

Chiça, cn, desça lá da estratosfera. Você até parece um daqueles utópicos da esquerda festiva.