11.1.08

A parte (aparentemente) difícil

O ponto de debate aparentemente mais fraco de Ron Paul é para mim a maior razão de orgulho.

No inicio fala do (MAIS DO QUE SABIDO, NINGUEM O CONTESTA) falso incidente que deu o motivo para Lyndon Johnson começar o "Vietname", depois comenta que o próprio comandante na ABC comentou que as vozes que se dizem ouvir nas imagens dos "barquitos" do Irão podem não ser dos tripulantes, e pondo em perspectiva que existe quemp procure motivinhos para iniciar outra guerra.

Quem vir o debate todo, vê que o espertinho do moderador tenta embaraçar Ron Paul dizendo que ninguém sugeriu uma guerra com o Irão.

Curioso, noutro ponto de debate Huckabee-o-Cristão promete "levar o Inferno" (não terá neste momento passado adorador do diabo?) e Fred "conduzi-los ás virgens".

Warmogering a espicaçar o sangue quente. Existe um mito sobre como as democracias não fazem guerra (totalmente refutável pelos factos históricos, já vem da Grécia e Roma passando pela WWI, guerra civis, etc)...mas

... nos momentos iniciais as guerras tendem sempre a ser populares nas massas. È fácil. Nazis e Mussolini sabiam disso. OS lideres democráticos também. É apelar ao histerismo da segurança e "patriotismo" (o errado, não o da "Nação" mas sim o do "Estado") e está feito.

2 comentários:

Gabriel disse...

estou em crer que o «patriotismo», em sim mesmo é nocivo, seja na versão «nação» seja na versão «estado».

CN disse...

talvez, gabriel, talvez...